Saúde em Ação Menu

Linhas de Cuidado

Volume 1 - Manual do Gestor

Assistência à criança de 2 meses a 3 anos de idade

Os processos assistenciais para a criança de 2 meses a 3 anos de idade deverão ser organizados para atingir os seguintes objetivos:

• Orientações gerais para o cuidado da criança

• Estímulo à amamentação exclusiva por seis meses e a introdução de alimentos complementares após esse período com manutenção do aleitamento materno por dois anos de vida ou mais

• Suplementação de vitaminas e minerais quando indicado

• Prevenção de acidentes

• Cuidados à criança em situação de violência

• Orientação para o calendário de imunização

• Cuidados com a saúde bucal

• Monitoramento do crescimento e do desenvolvimento

• Avaliação da presença de situações de risco e vulnerabilidade à saúde da criança

• Anamnese e exame físico

• Para a identificação de sinais gerais de perigo, seguir as perguntas:

 A criança consegue beber água ou mamar no peito?

 Vomita tudo que ingere?

 A criança apresentou convulsões?

> Observar e verificar se a criança está letárgica ou inconsciente.                

• Classificação e tratamento das patologias detectadas pela anamnese e exame físico (a sugestão é a aplicação do protocolo Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância – AIDPI) com as principais ações a serem desenvolvidas para a atenção integrada às doenças prevalentes na infância como, por exemplo, diarréia, otite, desnutrição e anemia, pneumonia, baixo peso ou dificuldades alimentares

• A equipe deve ser treinada para a detecção precoce dos sinais de perigo indicados e a unidade deve organizar seus processos de forma a garantir acesso fácil e uma recepção ativa e o pronto atendimento às queixas agudas sempre que a mãe trouxer a criança para a unidade, independentemente de agendamento prévio

• Indicam a necessidade de encaminhamento da criança ao serviço de referência de urgência, a observação de sinaus como, por exemplo, recusa alimentar e hídrica, letargia ou inconsciência, respiração rápida, atividade reduzida, sibilos ou chiados, tiragem subcostal ou estridor em repouso, olhos fundos, sinal da prega presente, secreção purulenta no ouvido ou tumefação dolorosa ao toque atrás da orelha, emagrecimento acentuado visível, edema em ambos os pés, rigidez de nuca, petéquias, abaulamento da fontanela

• Também podem ser considerados sinais de perigo a respiração rápida, irritabilidade, ingestão hídrica ávida, secreção purulenta visível no ouvido, peso muito baixo para a idade. Nestes casos, é necessário mobilizar a equipe de atendimento com agilidade para que sejam iniciados os procedimentos necessários na própria unidade, com avaliação posterior caso seja necessário o encaminhamento para o serviço de urgência e emergência ou o agendamento de retorno na própria UBS

• A criança deve ser cadastrada no sistema de vigilância da unidade especialmente se for identificada como uma criança de risco, para que seja feita busca ativa caso não ocorra o comparecimento às consultas agendadas



topo