Saúde em Ação Menu

Linhas de Cuidado

Volume 3 - Acompanhamento da Criança

Rastreamento oftalmológico

O rastreamento oftalmológico é importante na identificação de crianças com acuidade visual reduzida ou fatores de risco que ameacem o crescimento e desenvolvimento saudável do olho e do sistema visual.

Doenças oculares que podem ser identificadas no rastreamento:

Catarata congênita: lesão ocular que atinge e torna opaco o cristalino, sendo responsável por altas taxas de cegueira e visão subnormal; pode ser idiopática ou resultar de malformações oculares congênitas, infecções intrauterinas, síndromes genéticas, alterações sistêmicas com erros inatos do metabolismo, hereditariedade, uso de medicamentos, radiação.

Retinopatia da prematuridade: doença vasoproliferativa secundária à inadequada vascularização da retina imatura dos recém-nascidos prematuros, que pode levar a cegueira ou a graves sequelas visuais. É uma das principais causas de cegueira passível de prevenção na infância.

Glaucoma congênito: doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico. O glaucoma congênito primário é uma das principais causas de cegueira na infância e a tríade sintomática clássica é constituída por fotofobia, lacrimejamento contínuo e involuntário (epífora) e piscar de maneira descontrolada e excessiva (blefaroespasmo).

Retinoblastoma: tumor maligno que se desenvolve na retina; pode ser congênito ou manifestar-se nos primeiros anos de vida e afetar os dois olhos ou apenas um deles. O sinal característico do retinoblastoma é a leucocoria, um reflexo branco semelhante ao do olho do gato, quando um feixe de luz incide através da pupila. Nos olhos saudáveis, esse reflexo é vermelho.

Estrabismo: distúrbio que afeta o paralelismo entre os dois olhos, que apontam para direções diferentes. Ele pode ser classificado em convergente, divergente ou vertical. O estrabismo pode surgir nos primeiros meses de vida e nas crianças maiores por diferentes razões. Até os três meses de idade, a falta de controle do movimento dos olhos não caracteriza a alteração.

Ambliopia: baixa acuidade visual nos dois olhos ou apenas em um deles, sem lesão orgânica aparente. É o defeito visual mais comum em crianças, também conhecido como olho “preguiçoso”.

Erros de refração: na miopia o diâmetro anteroposterior do olho é maior do que o do olho normal, causando dificuldade na visão de longe; na hipermetropia o diâmetro anteroposterior do olho é menor do que o do olho normal, causando dificuldade na visão de perto; no astigmatismo há uma alteração na curvatura da córnea, causando dificuldade na visão para longe e perto.

Avaliação e diagnóstico

O diagnóstico pode ser estabelecido por meio da anamnese e exames de triagem. O exame da visão deve ser realizado em uma idade precoce e em intervalos regulares durante a infância. Os elementos do exame de visão variam dependendo da idade e do nível de cooperação da criança.

Recomendações

A primeira avaliação oftalmológica deve ser feita ao nascer, antes da alta, pelo neonatologista (Teste do Olhinho ou Teste do Reflexo Vermelho).

Nos dois primeiros anos, uma avaliação oftalmológica completa deve ser feita a cada seis meses, de preferência por um oftalmologista pediátrico.

Depois dos dois anos, uma avaliação oftalmológica completa anual deve ser feita pelo menos até os 8-9 anos, de preferência por um oftalmologista pediátrico.



topo